O presidente da Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP) alertou hoje que a escassez de madeira de pinho e a subida do seu preço nos últimos meses vai provocar o encerramento de empresas do setor.

“Vão seguramente fechar empresas”, vaticinou Vítor Poças, que falava aos jornalistas à margem de um debate organizado pela AIMMP, que tinha como tema “A Ameaça ao Abastecimento de Madeira de Pinho”, que decorreu em Cantanhede e que juntou mais de uma centena de empresários desta fileira.

O presidente da associação notou que o setor – que chegou a ter mais de mil serrações e que agora terá entre 350 e 400 – irá assistir a uma perda de mais empresas nos próximos anos, face à falta de matéria-prima e à subida de preço da mesma.

“É uma situação aflitiva”, realçou, recordando que o preço do pinho aumentou mais de 50% nos últimos meses, ao mesmo tempo que falta volume de madeira em crescimento nas florestas portuguesas para dar resposta às necessidades das empresas nacionais.

Com uma floresta que tem uma taxa de crescimento “inferior ao que é consumido anualmente”, os incêndios apenas agravam o problema, notou.

Com um setor de base florestal “todo ele dependente da importação de madeira” – até a indústria da celulose importa -, Vítor Poças salienta que a indústria tem conseguido fazer “um pequeno grande milagre”.

in: Agroportal