O Centro Pinus em Janeiro deste ano, publicou um relatório/síntese da informação pública relativamente à execução das operações disponíveis para o setor florestal no PDR 2020.

A execução das “Operações Florestais” consideradas foi inferior à execução global do PDR 2020, quer nas taxas de compromisso, quer na execução financeira.

Após reunião com os associados do Centro Pinus, que incluem as organizações com mais experiência na utilização do PDR 2020, para análises dos fatos detetados, foi sugerido desenvolver um questionário para melhor compreensão dos principais constrangimentos no acesso e na execução do PDR 2020.

Os critérios de acesso ao PDR 2020 (VGO), a excessiva burocracia e a instabilidade e dificuldade de interpretação dos avisos, foram considerados os maiores constrangimentos.

Quanto à execução do PDR 2020 as maiores dificuldades é a ausência ou insuficiência de esclarecimentos pelas entidades públicas envolvidas e dificuldades associadas à submissão e análise dos pedidos de pagamento e ao período de reembolso.

Em reunião com os associados do Centro Pinus e associações de proprietários florestais, no passado dia 26 de Maio, foram analisados os resultados do questionário e perante tantos constrangimentos, ficou deliberado enviar um memorando para a entidade gestora do PDR 2020, entre outras entidades envolvidas no acesso e execução do PDR 2020, dando conta dos constrangimentos existentes e apresentação uma contribuição construtiva e ao mesmo tempo de sensibilização para os agentes públicos, de acordo com os resultados do questionário.

De salientar, que a indústria da madeira tem escassez de matéria-prima, sobretudo, de pinho bravo, e se as dificuldades continuarem para os proprietários florestais na execução dos seus projetos, a falta de matéria-prima aumenta e implica uma queda no setor da fileira do pinho.

  • Consulte aqui os resultados do questionário sobre a Execução das Operações Florestais do PDR2020